Análise: Fluminense muda tática para frear o Flamengo e ganha alternativa de olho no Brasileiro

Marcação baixa, compactação e muita intensidade. O que o River Plate fez com êxito boa parte da decisão da Copa Libertadores do ano passado – perdendo a decisão de Lima nos minutos finais -, o Fluminense conseguiu na final da Taça Rio: frear o Flamengo. O time argentino também saiu na frente do placar, mas sofreu a virada no fim, enquanto o tricolor tomou o empate e segurou o 1 a 1 (veja os lances no vídeo acima) até os pênaltis, onde foi campeão. Ao dedicar Taça Rio às vítimas da Covid-19, Odair elogia o Fluminense: “Taticamente perfeito” Flu recorda volta aos treinos um mês após Flamengo e tira onda com título nas redes sociais Flu chama médicos para levantarem troféu em homenagem aos profissionais de saúde Mário Bittencourt comemora título do Fluminense e afirma: “A gente lutou pelo que é certo” Maiores campeões da Taça Rio: Fluminense conquista o título pela quarta vez; veja o ranking Guardadas as devidas proporções, o River foi o adversário que mais incomodou o Flamengo na América do Sul e, apesar da derrota, mostrou uma forma de conter um poder de fogo tão grande como é o do rival. Foi o que Odair Hellmann também tentou sem sucesso pelo Inter, nos duelos com o Rubro-Negro pelas quartas de final da Libertadores do ano passado. No Maracanã, chegou a segurar um 0 a 0 até os 29 minutos do segundo tempo, quando sofreu o primeiro gol. Em seguida, aos 33, o segundo, também marcado por Bruno Henrique.



Comentários do Facebook

Chat aberto