Arce acredita que os médicos que continuam com a greve “não estão à altura da tarefa” para enfrentar a Covid-19

O presidente criticou as medidas de pressão contra a Lei de Emergência Sanitária. Confirma que interesses pessoais estão por trás da mobilização dos profissionais de saúde

O presidente Luis Arce criticou nesta segunda-feira a greve que os profissionais de saúde mantêm contra a Lei de Emergências Sanitárias e que quem suspende seu trabalho, talvez, não esteja à altura da tarefa de enfrentar a Covid-19.

“A única coisa que estamos vendo é que esses médicos podem não estar à altura do desafio que hoje significa enfrentar uma pandemia”, disse o chefe de Estado durante o início da vacinação de pessoas com doenças de base em La Paz.

Após completar no domingo uma suspensão de 10 dias das atividades, o Conselho Nacional de Saúde (Conasa) informou que a medida de pressão se estende por mais 15 dias, até a revogação da questionada Lei.

“Repudiamos e exortamos os médicos que querem insistentemente entrar em mobilizações absolutamente políticas, porque os argumentos que levantaram são de fato superados”, insistiu.

Arce destacou os trabalhadores da saúde que estão “ao pé do cânion” lutando contra o vírus, enquanto outros buscam defender seus “bolsos e interesses pessoais” com os protestos que lideram.

“Estamos convencidos de que a humanidade é muito maior que os apetites pessoais e econômicos, que defender as clínicas privadas, a medicina privada, mais do que defender e garantir os médicos ao nosso lado”, disse.

Fonte: El Deber

 

Avaliações

  • muito bom 5
  • bom 3
  • regular 7
  • 3

    Score



Jornalista


Comentários do Facebook

Chat aberto